Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Acabei o livro

por Maki, em 13.07.18

Acabei o livro que julgava estar amaldiçoado, lá dentro estava uma factura de 2014 e um cartão que caducou em 2015, duas das datas em que o tentei ler. 

Acabei o livro e continua a haver apenas uma Lua no céu, ninguém apareceu na minha vida por um golpe de magia e tudo está igualzinho. Honestamente li os últimos capítulos devagarinho, de tempos em tempos crescia em mim uma pequena esperança, olhava para o telemovel e... nada. Tentei prolongar ao máximo a leitura, absorvia cada palavra, cada frase, por vezes relia até que me apercebi que era ridícula, ironicamente uma das personagens principais assim como eu achava que o jovem pela qual estava apaixonada estava destinado a voltar a entrar na sua vida por obra do acaso... Ela é idiota, e eu também. A sorte é que ela vive em 1Q84 e eventualmente o homem dela há-de encontrar-se com ela num dos livros da trilogia... Eu vivo em 2018 e estou destinada a morrer sozinha.

Lado positivo? Estou a reabituar-me à ideia de estar sozinha é bacano. Pelo menos assim não tenho pessoas a perguntar "Como assim vais dar uma volta com um amigo?", ou "De certeza que ele é gay e não bi?", ou ainda "Queres mesmo que eu acredite que saiste em dois dias diferentes com 2 tipos diferentes e que ambos são gays?! Achas que sou parvo?"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:53

Epopeia na piscina

por Maki, em 12.07.18

Se há coisa que eu sou é míope, se alguém está a mais de 50 cm de mim não consigo reconhecer as feições, o que é extremamente chato no Verão quando uma pessoa tem que ir à piscina ou à praia, sendo que na praia é 1000x pior, recuso-me a ir à água sozinha porque sei que nunca na minha vidinha com as minhas dioptrias seria capaz de encontrar o caminho de volta. 

Ora, ontem fui à piscina com um amigo, estava um frio do catano então fui sozinha à água. Decorei a árvore em que deixei as coisas e o outro e tudo correu lindamente, heis que tive que ir à casa-de-banho e ele queria ir à água, combinámos que eu iria fazer a mijinha, e depois ia ter com ele à água, frisei várias vezes que era naquelas escadinhas em especifico porque eu não vejo sem óculos. Repeti pelo menos 3 vezes. Fui mijar, quando voltei ele não estava lá... Olhei para a zona perto das escadinhas, traumatizei uns putinhos porque queria sondar se ele estava lá no meio ou não. Não estava, olhei para o outro lado da piscina, estava vazio. Fui à toalha: nada. Voltei para a piscina, tentando focar todas as pessoas que estão na borda, nada. Heis que ouço um grito, olho e lá estava o idiota, escondido entre pessoas e super longe do sitio onde combinámos, ainda levei com um "porque é que demoraste tanto?" Porque é que demorei tanto?! Oh... Ia-o comendo! Depois ainda me disse que os nadadores salvadores eram óptimos para limpar as vistas seguido de um "olha! mas olha!", eu bem que olhei mas só vi uma mancha amarela...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51

Então maltinha? Foco.

por Maki, em 10.07.18

Toda a gente sabe que há mais de duas semanas que 13 pessoas estão fechadas numa gruta na Tailândia, que existem equipas que estão a trabalhar arduamente para os tirar de lá e que 8 já estão cá fora. 

No entanto, acho que nos estamos a focar no "herói" errado... Vi pessoas a elogiar a sanidade dos miúdos e do treinador? Sim. Vi pessoas a elogiar os mergulhadores? Sim. Vi pessoas a elogiar as famílias? Sim. Vi pessoas a elogiar toda a equipa logística por trás? Sim. 

Mas nada se compara aos elogios que o "Batman"/"Ironman" (dependendo se a pessoa prefere DC ou Marvel) está a ter. Foi simpático o gajo disponibilizar os seus engenheiros para arranjar uma solução? Foi. É genial terem chegado ao protótipo tão cedo? Sem dúvida, os gajos são óptimos no que fazem. Mas vá lá... Sejamos realistas... Assim como qualquer trabalho feito em cima do joelho há lacunas. E como em maior parte dos trabalhos de engenharia, falta o conhecimento das restrições que só é adquirido ao estar em contacto com as pessoas para quem se está a fazer o produto e as restrições do meio. 

Isto não passa de uma campanha publicitária... Se o homem realmente tivesse disponibilizado os meios apenas para ajudar, a partir do momento em que os resgates se iniciaram tinha guardado as trouxas e dito "bom trabalho pessoal!" não tinha impingido o protótipo e aparecido com aquilo na Tailândia... Eu nunca na minha vida arriscaria a vida de alguém para testar pela primeira vez em condições reais o protótipo só para encher o ego de um multimilionário... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:37

Hoje fui social

por Maki, em 28.06.18

Hoje conheci um jovem, para verem a minha aptidão para a socialização passo a citar a primeira frase que lhe dirigi: "são uma merda!" com isto assumi que tivesse traumatizado a criatura e que não voltasse a haver diálogo, mas houve. Pouco depois estávamos a saltar entre assuntos estupidamente sérios e assuntos ridículos, a falar de pão e de ambições, do que devia mudar no mundo, na sociedade hipócrita em que vivemos e assim se passou uma hora... 

Sei o nome dele? Não. Vou voltar a vê-lo? Provavelmente não. Fiquei com vontade de conhecer mais pessoas aleatórias? Sim. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:05

Oferta de trabalho X (m/f)

por Maki, em 16.06.18

Andei a fazer alguma pesquisa para ter uma noção de como estão as ofertas de trabalho na minha área em Portugal, e se há coisa que me faz comichão é o (M/F) depois de alguns títulos, porque cria um vazio legal em relação ofertas que não tem esse indicador: Querem só homens, ou só mulheres? Não sei... Não está explicito. Estamos no século XXI, eu preciso saber se uma empresa procura engenheiros, engenheiras ou ambos, não faz sentido que me deixem na duvida. Se enviar o currículo para alguma dessas empresas ambíguas corro o risco de receber um "Oh menina... Não viu que não tínhamos o (M/F) no titulo? Nós só queremos homens!" ou um "Ai finalmente uma fêmea, nem imagina a quantidade de currículos masculinos que temos recebidos...". Porque realmente os seres humanos são binários e há uma grande diferença entre os engenheiros machos e os engenheiros fêmea visto que temos aulas diferentes em salas diferentes, com abordagens diferentes.

Isto é o meu lado inovador a falar, mas já alguém pensou em expor logo no titulo se procuram trabalhadores de alguma minoria para preencherem alguma quota?

Exemplo: "Trabalho X (M/F)(Adestrador de Periquito)"

Ser a empresa tecnológica com maior percentagem de adestradores de periquitos do mundo punha-vos logo em voga e toda a gente iria querer trabalhar lá.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08

Voltarei

por Maki, em 06.06.18

Os meus exames acabam daqui a um mês e tenho um sem-fim de projectos que quero realizar no verão, o que implica que voltarei a ter vida e consequentemente desgraças e momentos constrangedores que contar, yeeeey! (Apesar de ter quase a certeza que já ninguém se lembra de mim...)

Ontem tive um cheirinho do que era ter vida social porque uma amiga fez anos, acabámos a noite num bar, o que para mim é sempre algo super fun-fun-fun, por isso 10 minutos após chegarmos fui ver o horário dos autocarros para ir para casa, ou ia para a paragem em 5 minutos ou tinha que esperar 1h pelo próximo autocarro, por isso fiz-me ao caminho, sozinha. Muita gente chamaria-me irresponsável "ai moça! que horror andar 15 minutos a pé às tantas da noite. Queres que te aconteça alguma coisa só pode!", mas não... Honestamente acho menos provável ser assaltada de noite do que de dia, o policiamento é bem mais frequente e uma pessoa acaba por andar mais alerta, e, no meu caso, também com mais ar de quem vai esfaquear alguém do de quem vai ser esfaqueada. A prova disso é que um jovem andava a pedir tostões para "pagar o autocarro" e quando me perguntou manteve uma distancia de segurança de aproximadamente 1 metro e meio. 

Como não podia deixar de ser, depois de entrar no autocarro (esse meio de transporte magnifico cujos condutores após a uma da manhã consideram que são o Vin Diesel no Velocidade Furiosa) e encontrar um lugar um sitio onde sentar a bunda oiço um "alguém tem um lenço?", olho para trás e vejo sangue, bastante sangue..."Alguém levou uma xinada?", "Tu deste uma xinada?", "Alguém teve uma hemorragia nasal?", Nope, um gajo caiu ao saltar um murinho para chegar ao autocarro e uma feridinha pequenina estava a sangrar como uma feridona, lá lhe dei uns lenços, outro senhor deu-se uns pensos e desinfectante e uma moça fez-lhe o curativo. Honestamente, o gajo caiu para apanhar o autocarro certo que eu nunca tinha visto gente tão preparada e disposta a ajudar como naquele fatídico autocarro às 3 da matina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:10

Paniquei

por Maki, em 08.04.18

Não sou boa a lidar com pessoas,  mas quando me dizem que as criaturas tem interesse em mim entro em pânico... 

Em fevereiro calhei numa equipa com um francês, o jogo correu bem por isso ele adicionou-me, jogamos mais 3 jogos, ganhamos todos, o gajo era um bacano, e sempre que ele tentava entender se eu era fêmea ou macho fingia que não lia a pergunta, tudo corria lindamente até que ele a fez sem estarmos no jogo... Eu podia ter mentido. Eu devia ter mentido. Mas não me lembrei... Após aquilo as coisas começaram a ficar meio meh... Eu ainda disse que tinha buço e assim, mas o raio do moço não ligou, gostava demasiado da minha personalidade, e, como nunca viu a minha tromba provavelmente assumia que eu era jeitosa... Apesar de ele ser a melhor pessoa com quem alguma vez joguei na mesma equipa e ser um bacano não consegui lidar com a situação, e como o semestre estava a começar usei isso como desculpa e deixei de jogar...

No verão um jovem viu-me de raspão não sei muito bem quando, nem onde, mas viu-me muito mal, e considerou que eu podia ser um bom partido... Descobri quem ele era e o que pretendia no Outono, após ter rejeitado o seu pedido no facebook... Eish que passados uns meses quando acabei por sucumbir ao instagram recebo um pedido de alguém que eu supus ser o jovem... Quando confirmei quem era disse à nossa amiga em comum que aquilo era bastante creepy e que o jovem não devia fazer essas coisas, mas ela insistiu tanto que ele era bom moço que após deixar mais uns dias o pedido em águas de bacalhau acabei por ir contra o meu instinto e adicionei o jovem, inicialmente tinha medo que o rapaz metesse conversa, mas nada aconteceu... Provavelmente apercebeu-se que tudo tinha sido um erro de percepção e que sou ranhosa. O que é bom para o rapaz não andar iludido e estou aliviada por saber que se algum dia o conhecer não vai ser constrangedor, mas ao mesmo tempo um pouco meeeh... Nem sei explicar... Acho que fiquei curiosa... E realmente estava disposta a conhecer o jovem e a perceber como ele é... Sou um cocó.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:20

Nunca me senti tão ofendida como no dia em que a minha mãe ficou em choque quando eu lhe disse que podia fazer o encosto desde que arranjasse os fios e outro carro. 

"Eu não tenho os fios" disse ela, "as mulheres nunca andam com fios" insistiu ela. "Nem penses em ir perguntar se alguém no café tem fios"  disse ela, "as mulheres não sabem fazer encosto" repetiu ela. 

A sério? Eu já trabalhei com coisas bem mais sensíveis. O paralelo de dois componentes é das coisas mais simples que me podem pedir para fazer... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

A Netflix passa a vida a me tentar sugerir deles, às vezes acerta, como no caso do Big Mouth, mas outras vezes aquilo vai tão ao lado, mas tão ao lado que doi... 

A ultima serie que me foi recomendada foi "The End of the Fucking World", SPOILERS AHEAD, que basicamente romantiza a psicopatia e dá a ideia de que tu - gaja aleatória - podes transformar um cabrão que te quer matar num bom moço se fugires com ele 1 dia após o conheceres sem destino. Considerando que esta serie foi lançada pouco depois das "13 Reasons Why", que basicamente romantiza o suicídio, começo a achar que a Netflix está a tentar forçar a selecção natural nos jovens de hoje "O que? Estás deprimido e sentes que ninguém quer saber de ti?! Suicida-te e atormenta os bastardos com mensagens post mortem, isso vai ensinar-lhes uma lição!" "Queres um rapaz especial?! Vai ter com aquele ali ao fundo com ar de apagado e come-o, se ele mal falar e não se mexer ou reagir enquanto o comes: Bingo! É o tal! Amanhã foge com ele sem destino e entretanto roubem muito, bebam muito, tu vais mudar a vida dele e faze-lo sentir cenas!" (não vou negar que as 13 Reasons Why tem uma mensagem bem mais forte do que essa, e é importante falar do suicídio, mas romantizar a coisa não é a solução, mas The End of the Fucking World a meu ver é apenas ridículo).

Ou então sou eu que sou bastante céptica em relação a tudo e não entendo o quão boas as series são. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:19

Atacada pela nostalgia

por Maki, em 13.01.18

Hoje ao vasculhar na minha conta do youtube encontrei um tesouro em bruto, uma banda que não ouvia desde que entrei na faculdade mas que me acompanhou desde o 8º/9º até ao 12º e que definitivamente é das bandas de que mais gosto. 

A primeira musica com que chorei e que ainda hoje não consigo ouvir é deles - Dark Congregation, e nessa altura só tinha medo que tal estivesse prestes a acontecer... Hoje possivelmente ia dar cabo de mim... Ironicamente ouvi durante cerca de 2 anos a musica na boa até que me caiu a ficha (Back in the day my english was terrible).

Tem uma musica que descrevia (e ainda hoje descreve) bastante bem a minha visão do mundo romântico: City Traffic Puzzle.

Também foi uma musica deles que deu origem a um episódio caricato numa aula de psicologia em que o professor decidiu que todos tínhamos que escolher uma musica que descrevesse o que para nós devia ser o amor e obrigou-nos a partilhar com a turma e ficar de pé no quadro enquanto as pessoas a ouviam, quando chegou a minha vez, meti o You're the Moon, o professor ficou ficou fã e quando me fui sentar a gaja que estava atrás de mim disse-me "Estás deprimida? Aquilo é muito negativo." A musica que ela escolheu foi o fucking Creep dos Radiohead... Como é que uma gaja que escolhe o Creep para descrever o que deve ser o amor se atreve a dizer que a minha musiquinha sobre como amar é ver o melhor das pessoas e tentar que elas se apercebam do quão brutais são tem a lata de me chamar deprimida?! Fiquei ofendida. Muito ofendida. Na altura tinha depresão? Não, mas já tinha andado lá perto o que me faz não gostar desse tipo de piadas. Não me lembro do que lhe respondi, mas lembro-me que depois da aula me disseram que tinha sido uma resposta óptima... Ainda hoje não vou com a cara daquela gaja.

A banda já se separou à uns bons anos, os dois vocalistas acabaram por entrar em bandas diferentes, o que de certa forma até foi bom porque deram origem a 2 discos bacanos. A Greta foi para os Gold Motel e o Bob entrou nos Stamps the band, sendo que tenho um carinho especial pelos últimos (apenas enquanto o moço esteve lá), porque no lançamento do álbum (Stamps Ventures of a Lifetime) eles deixaram o pessoal dar o dinheiro que podia pela versão digital do disco ou comprar a versão premium, na altura o meu dinheiro do paypal consistia apenas no que ganhava a clicar em anúncios (geralmente 0.00125$ por anuncio, em casos excepcionais 0.05$) e apesar de me sentir mal por só conseguir dar 2.45$ pelo disco fiz a compra. No dia seguinte recebi o link para fazer o download, fui de férias e quando voltei tinha um envelope proveniente dos USA com o álbum autografado. Nunca tive um momento de fangirling como aquele... O Bob continua a ser o meu maior "celebrity" crush, não por ser todo bom, mas porque tenho a impressão que ele é bastante imprevisível e brutal... O gajo escreveu uma musica com base na viagem que o cão dele ia fazer, ganhou dinheiro com ela e fez com que maior parte das pessoas achasse que se referia a uma gaja, isso é genial e super random, preciso de mais pessoas assim na minha vidinha.

Escusado será dizer que passei o dia a saltitar entre estas 3 bandas, a nostalgia até me levou ao tumblr, mas em relação a isso só vou dizer que o meu sentido de humor não mudou minimamente em 5 anos e que o raio do blog continua a reflectir demasiado bem as coisas de que gosto... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:22


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D